"É pena que só pensen nos animais e pouco nas pessoas que passam fome em portugal, mas gostam muito de ir aos fast-fod com os filhos. Demagogia barata".

 

Este é o comentário de alguém que, certamente ... Bem, é melhor não dizer nada! Provavelmente o comentário até está deslocado porque nada tem a ver com o post onde foi inserido. Seja como for é um post do meu Quico que tem por titlo «A Coruja e a Superstição». e o meu Quico ficou danado e queria falar sobre criancinhas e fast-foods mas eu disse-lhe para não falar do que não sabe, pois nunca teve a má ideia de ir comer a um fast food dos que são aqui idealizados.

 

A alimentação do Quico pertence a outro fast food e ele pode fazer confusão. Esse amigo do comentário não terá certamente ideia do que significa a palavra demagogia. Se tivesse não falava dela neste contesto. Normalmente o meu Quico tomou como bandeira falar dos animais e das suas desgraças provocadas por gente, onde, se calhar, esse amigo se insere. Se não se inserisse aí, não faria tal comparação porque qualquer demagogo sabe, que quem tem coragem para falar das misérias dos animais, e mitigar-lhe a fome, também terá para falar das crianças e dos pobres que não têm dinheiro para as alimentar.

Mas o que esse amigo não sabe ou não quer saber é que os pandilhas políticos deste país tomam o poder de assalto com demagogias e mentiras como vemos constantemente, tal como têm sido todas as eleições até hoje realizadas e sempre em nome dos pobres, dos que nada têm e, evidentemente, das criancinhas. Nunca tomaram o poder a tentar defender os animais. Pudera! O único homem que pretendeu fazer uma lei realista para tentar defender os animais, foi apudado de fascista e bla, bla, bla ...

 

E exactamente por aqueles que choram baba e ranho em nome desses valores e pouco ou nada fazem a não ser resguardar, demagogicamente, o poleiro alcançado. Tem sido assim e continua a ser assim, infelizmente. Temos partidos políticos que alcançam o poder baseado em mentiras demagógicas e depois têm o descaramento de virem dizer que, afinal, isto está pior do que pensavam. E só foco os últimos. Foi assim com Durão e foi assim com Sócrates. Eram chefes de partidos que também têm um quinhão nosso sacado do Orçamento e que deveria ir para as tais criancinhas e pobrezinhos, mas mostram apenas quão incompetentes são ao fazerem esta afirmação.

 

Mas não! Não! Impossível! «Nós não fazíamos a mínima ideia em que estado a realidade do país se encontrava»! - Esta é a peça chave de todos eles. Até se esquecem que como partidos de OPOSIÇãO têm acesso a tudo para exactamente poderem saber atempadamente com que linhas se coser o remendo. Afinal o que eles andam é todos a enfiar-nos o barrete a começar pelo chefe máximo. É uma vergonha, uma escandaleira, a divisão dos bolos podres que este país tem preparado, ano após ano, para o nosso futuro! O futuro de todos nós, dos tais velhinhos, das criancinhas pobres e das ricas ou quase que vão aos tais fast foods.

 

Não se esqueçam que quem é pobre hoje, pode ser rico amanhã, e quem é rico hoje, pode ser pobre amanhã. É a esses senhores que o nosso comentador deve pedir para velarem pelas criancinhas que não têm pão. Se esses senhores conseguissem olhar as criancinhas como o meu gato o faz, elas até seriam mais felizes, mesmo quando não têm pão! Eu não quero que o meu Quico se meta na política porque seria terrível. Seriam todos bombardeados com os nomes que realmente merecem e não só! E nunca haveria abortagem. Seria: missão iniciada, missão concluída.

Sagres, a beleza dos mares que enfeita o rio Tejo para alegrar o Ventor, nas suas caminhadas

tags:
publicado por Ventor às 20:48