A minha caminhada entrou num trilho terrível. Estes dias estão a ser rumo à cama 24. Sim, cama 24, pois foi lá que eu ouvi o grito do desespero. «Senhora da cama 24, é favor vestir-se. Estão à sua espera!»

Até ali era o iludir do desespero. Sabíamos que vinha aí o "corte e costura", o tempo de espera e outra aprendizagem. Novo desespero. Esperar é desesperar! Esperar quando não podemos intervir, é terrível. Mas o desespero faz parte da nossa caminhada! Mas mesmo no meio do desespero fui buscar ervas para o meu Quico e na procura, encontrei estas flores. Fotografei, imprimi e entreguei à senhora da cama 24. Levavam beijinhos do Quico e lambosadelas minhas. As lambosadelas do desespero!

Fev,18 105.JPG

Flores que nem sei o nome, mas apareceram do meio das ervas, secas e duras, a dizer: "olá Ventor"!

Agora a minha caminhada continua, mas entre a "minha esquina" e a senhora da cama 24. Desejo para todos vós melhor sorte do que a minha.

Sagres, a beleza dos mares que enfeita o rio Tejo para alegrar o Ventor, nas suas caminhadas

tags:
publicado por Ventor às 10:00