Hoje é o dia 10 de Junho.

Eu sou apenas uma pedrinha numa grande pedreira, mas sinto muito orgulho em fazer parte dessa pedreira. Por quanto tempo, ainda? Não sei!

 

Sei apenas que a pedreira está a resvalar cada vez mais e nesse resvalar eu sofro todos os dias os  empurrões dos que, tal como eu, dependem da encosta onde se encontram e dos empurrões que vão sofrendo. A encosta está cada vez mais íngreme e, por isso, cada vez mais difícil para todos os que nela se movimentam.

Difícil para os que pretendem escalá-la e difícil para os que nela se pretendem manter.

 

Porquê? Alguém me sabe responder?

 

Que acontece a uma pedreira onde as pedras se deslocam tão ferozmente? Irão entupir o vale? Será que a pedreira vai fechar para obras?

 

Tal como essa pedreira, está Portugal! O factor gestão é responsável por tudo! A gestão política tem sido um descalabro. Não! Claro que não! Não vou atribuir as culpas apenas ao governo ou (des)governo de Sócrates!

 

Vocês já viram bem o que espera Portugal?

 

Quando um país tem uma administração pública que se autogoverna, que poderá dizer o resto do país? Por acaso vocês não recebem os mesmos e-mails vergonhosos que eu recebo? Eles circulam! Que vos apetece fazer quando recebem esses e-mails? Nada? Não acredito! Não acredito que não vos passe uma vontade maluca pela cabeça. Pelo menos chamar uns nomes muito populares, na hasta pública. Também não?

 

Vocês já estudaram esses e-mails que nos falam dos auto-governos das empresas públicas? E das privadas? Porque não falar também das privadas? Vocês já verificaram o que o povo passa para esses chulos continuarem, impavidamente, a encherem o rabo?

 

Já notaram que têm o descaramento de nos dizerem que os gestores públicos, em Portugal, ganham menos que em Espanha? Será que esta malta não se encherga?

 

Pois é! É por essas e por outras que o meu orgulho de ser português se esvai! Tal como os balões que as crianças uzam nas suas brincadeiras, a tendência é para desaparecer.

 

Até isso se preparam para me roubar!

 

Que dirias tu, Camões, se vivesses hoje?

 

 

Deixem que as flores continuem a crescer, em Portugal

Sagres, a beleza dos mares que enfeita o rio Tejo para alegrar o Ventor, nas suas caminhadas

publicado por Ventor às 21:09