Hoje fui a Lisboa.

Dirão vocês - ora! E então?

Pois! A Lisboa vou eu quase todos os dias. Em média, mais vezes que dia sim, dia não! Mas hoje fui passear. Fui matar saudades da Baixa Pombalina!

 

De tarde, fui buscar o Tomás à escola, deixei-o em casa e fui ver os meus amigos a Alfragide. Amigos que vocês já não se recordarão, acho eu! Aqueles a que o meu Quico chama, Srs. Pavões. Cheguei á Escola, peguei o Tomás que, como sempre fez uma grande corrida e quase me derrubou ao saltar para mim. Estou sempre à espera do dia que a minha coluna me deixe ficar mal e me assape. Depois de o deixar em casa, fiz umas fotos aos meus amigos pavões e a dois grandes gafanhotos em plena "febre" sexual.

 

 

É longe, mas só deu para ver o coelho aqui na foto

 

Armei-me em paparasi, e só ouvia: "Ventor, vai-te embora, deixa-nos em paz. Por favor"! Está bem - disse eu - só umas fotos para os meus blogs. Paz e cooperação é o meu lema. Estou aqui pacificamente e sou cooperante, mas para haver cooperação tem de haver dois ou mais intervenientes. Além disso estou com pressa. Lá os deixei.

 

Claro que não vou colocar aqui uma foto indecorosa dos coitados dos gafanhotos!!

 

Meti-me no carro, parti para a Baixa Pombalina, fui dar a volta ao Rossio e fui arrumá-lo no Parque da EMEL, nos Restauradores. Uma fortuna de cada vez que vou a Lisboa. Nem sei quanto pago por mês para a chulice lisboeta.

 

Depois fui a pé pela R. Áurea e deu-me para me desviar e passar pela Pç. do Município para ver de frente a Câmara Municipal. Nem imaginam o que a fachada daquele belo edifício me contou!

 

Depois segui para a Praça do Comércio (vulgo Terreiro do Paço) e aproximei-me do meu belo rio - o Tejo. Mais um diálogo! O Tejo é realmente uma beleza e, francamente, não sei o que seria da nossa querida  Lisboa e das suas colinas, sem ele.

 

 

El Rei D. José I de Portugal

Ele pergunata-me: «que fazes aí Ventor?»

 

Depois de cumprimentar, Sua Majestade, El Rei  D. José e o seu cavalo, coisa que faço há 46 anos, subi pela R. da Prata e fui cumprimentar o Calceteiro Lisboeta, frente à Igreja de S. Nicolau. Uma belíssima estátua, os meus parabéns ao seu autor.

 

 

O representante dos trabalhadores que já foram famosos em vários cantos do mundo e que tornam Lisboa uma beleza. Depois, outros estragam e, podem crer, o grande déficit Lisboeta não é devido a eles!

 

Depois, já com a língua de fora, cheguei aos Restauradores, onde me encontrei com a minha companheira de grandes caminhadas e fomos apanhar o "Cinzas", no tal Parque e, de abalada, resolvemos regressar a casa passando pelo novíssimo Túnel das Amoreiras. Nem a propósito, este post! Ao chegar a casa, encontrei numa caixa dos meus e-mails, no dia que estreei o Túnel, um título assim:

 

«José Fernandes, o "Falso Moralista"».

E termina assim: «E viva a Esquerda "caviar

 

Claro que eu não vou colocar aqui o e-mail, mas apetecia-me fazê-lo! Não o faço porque acredito, plenamente, que não será apenas uma situação do político José Fernandes. Aliás, não tem nada de especial! Apenas serviria para desmascarar toda essa "rapaziada" a que me apetece, imenso, chamar uns nomes feios e, também que fique claro, não só ao BE! Tudo que diga sobre os nossos polítcios, não se refere apenas a este ou áquele partido, em particular, mas a todos em geral. Que me desculpem aqueles que, eventualmente, não se integram nesta generalidade. Haverá alguns? Certamente haverá, mal de nós se não houver"!

 

Porém, utilizo aqui o José Fernandes, porque ele é apenas mais um passo para que, com toda a clareza, eu fique mais convencido de que as minhas teses teriam toda a razão de existir nos nossos programas politiqueiros. A RESPONSABILIDADE! Esse senhor, arranjou maneira de fazer com que o Túnel fosse embargado e com que Lisboa ficasse mais empenhada! E ele não foi responsbilizado por nada. Por coisa nenhuma! O Túnel das Amoreiras já funciona e ele que forjou um processo mesquinho obrigando ao retardar da sua construção, prepara-se para dar mais umas golpadas nos lisboetas acompanhado do seu grande "staf" como se fosse um rei. Nada disto tem a ver com o e-mail recebido!

 

Oh, José Fernandes, como é que o Senhor não tem vergonha política? Coitado do Bloco de Esquerda. Serão todos assim?

 

 

Tenham cuidados lisboetas!

 

E que viva por muito tempo, o Túnel das Amoreiras ou do Marquês, se preferirem. Para além de útil é belo!

 

 

 

Sagres, a beleza dos mares que enfeita o rio Tejo para alegrar o Ventor, nas suas caminhadas

tags:
publicado por Ventor às 21:42