"Amaina isso ...

... que vem aí o Ventor!

 

Vejam fotos aqui

 

Foi assim que Apolo falou para Neptuno e Neptuno amainou!

 

O Tejo parecia um espelho de águas lisas e as Tágides, as minhas amigas Tágides, alegres com a minha chegada, cavalgam nas gaivotas e outras penudas como esta.

 

 

 

Esta menina espera uma Tâgide para partirem juntas!

 

Passaram a manhã a dar-me as boas-vindas, uma após outra e outra, e outra, ...

 

 

A minha tâgide vem aí, diz-me esta menina

 

Conversei com o Leonardo ... o meu amigo Leonardo ... o da Vinci!

 

Ele estava à porta do Museu dos Combatentes e pediu-me para entrar, mas eu necessitava de tempo. Tempo sem controlo! Tempo para conversarmos, sobre tudo, e para trazer a chave de Morse!

Ficou um pouco chateado quando eu lhe disse que inventou muita coisa, mas esqueceu-se daquela coisa maravilhosa que foi a chave de Morse!

 

 

Leonardo olha-me como se fosse o único ... mas ...

 

Ficou danado comigo quando lhe disse que não queria saber da bicicleta, do tanque de guerra, de ... gosto mais de cavalos!

 

Disse-me logo que o Ulisses foi seu predecessor, quando invetou o cavalo de madeira que levous os troianos à desgraça. Disse-me: "e foi só com um, olha se fosse com centenas ou com milhares"!

Voltarei para conversarmos com mais tempo. As conversas com o Leonardo valem sempre a pena! Hoje, não dava, dediquei o tempo a esta bela piscina natural - o Tejo.

 

 

Olhei os meus amigos de longe, nem me certifiquei se era a PA que velava por eles!

 

Para onde quer que olhe só vejo Tágides de braços no ar acenando-me!. Só vejo cabelos dourados e sorrisos: "mas todas elas dizem-me que têm saudades dos tempos em que os golfinhos entravam no Tejo e elas cavalgavam nos seus dorsos"!

 

 

Às vezes, elas vão na proa dos barcos a orientar os marinheiros

 

As Valquírias, de Odin, cavalgavam em belos alasões ... mas essas eram guerreiras. As Tâgides cavalgavam montadas nos dorsos dos golfinhos ao encontro do Ventor e da paz. Como vestimenta usavam a luz da minha amiga Diana e, sobre as orelhas, colocavam os brincos de princesas que ainda hoje por lá há. Mas o Camões, o nosso Camões, nunca as viu assim! 

 

 

As flores preferidas das princesas do Tejo - as Tâgides

 

Quantas vezes se penduram no chapéu do Infante e ficam sobre a caravela esperando que ele a deita à água!

 

 

A Caravela da Esperança está de esperança perdida!

 

 

Quantas vezes as Tâgides brincam em redor da Torre de Belém, escondendo-se do nevoeiro e cantando laudas ao Ventor!

Sagres, a beleza dos mares que enfeita o rio Tejo para alegrar o Ventor, nas suas caminhadas

tags:
publicado por Ventor às 22:26