Às vezes vejo a bola.

Às vezes não vejo a bola.

Ontem, apeteceu-me ver a bola.

 

Um jogo de futebol é um jogo como outro qualquer onde se joga bem e pode-se perder, e onde se joga mal e pode-se ganhar.

Ontem o meu Porto jogou bem e empatou.

Jogou como por vezes se diz - na Raça!

 

 

O Estádio do Dragão que fotografei, em Agosto de 2006, de dentro do carro em andamento, na subida do Freixo, quando rumava direito às minhas Montanhas Lindas

 

Quando vi o erro cometido por aquele grande jogador chamado, Bruno Alves, não cretiquei, não barafustei, não insultei, mas pensei que a minha rapaziada poderia perder a cabeça. Lembrei-me do descalabro no Arsenal de Londres.

Mas não. A Força estava com eles!

 

 

Ao apontar a objectiva por estes buracos dentro, apercebi-me de como era lindo o casarão do meu Porto

 

Num jogo de futebol, normalmente tudo acontece. Os jogadores cometem erros por muito que se esmerem num ou noutro sector, ou em todos. Há sempre possibilidade de errar no Ataque, no Centro ou na Defesa.

E, por vezes, também há dias que não devíamos ter saído de casa, ou não se deve entrar em campo com o pé esquerdo, ou ...

 

No momento do falhanço do Bruno Alves, pareceu-me que ele tinha um objectivo. Liquidar a pressão dos adversários com aquela passagem para o guarda-redes, a partir de onde se reorganizaria o jogo e planearia um novo ataque.

O inglês teria outra visão. Evitar isso e pressionando o Bruno, obrigá-lo a jogar para a frente para não perderem a possibilidade de continuarem a pressionar e tentarem desmantelar a boa organização dos portistas. Mas nestas coisas há sempre uma estrelinha, essa que permitiu ao inglês muito mais do que aquilo que pretendia.

 

Tudo isto faz parte dos jogos.

Por isso, sabendo disso, eu não me irritei com o Bruno Alves. Não lhe chamei nenhum nome feio, daqueles que põem os cabelos em pé ao Tin-Tin. Apenas lhe pedi baixinho para não se deixar desmoralizar.

Mas o Bruno é um grande jogador. Ele sabe que os erros fazem parte dos jogos e que são esses erros que, normalmente, no futebol moderno, permitem que haja golos.

 

 

Estas imagens deixaram-me a sensação de que tudo por ali será airoso. O monumento e os homens que lhe dão sustentáculo

 

Para a semana, de hoje a oito dias, iremos ter o jogo tira-teimas. Nesse tira-teimas, quero deixar aqui para os grandes jogadores do Futebol Clube do Porto um grande abraço.

Eu sei, eu acredito que, nesse jogo, eles tudo farão para, na raça, obterem mais uma vitória.

 

Mas se a estrelinha não quiser, nada a fazer!

Somos todos habitantes da Esfera e as estelinhas não são para todos. Tenho a certeza que, qualquer que seja o resultado, os jogadores do FCP continuarão a ser um belo sustentáculo do nosso futebol, fora de portas.

 

Boa sorte, rapaziada!

 

Sagres, a beleza dos mares que enfeita o rio Tejo para alegrar o Ventor, nas suas caminhadas

sinto-me: Quase Fine
música: Love is in the Air - Cat Stevens
tags:
publicado por Ventor às 20:38