Lembro-me que, noutros tempos, não podia com o Muro de Berlim!

Lembro-me de pensar que, se o tal da candeia árabe, me dissesse para pedir um desejo, eu diria logo: «derruba o Muro»!

 

 

O muro de Berlim tirado da Wikipédia

 

Cada vez que ouvia dizer que morreu mais alguém a atravessar o muro, eu sentia uma tristeza muito grande. Perguntava a mim mesmo, como era possível!

Alguém tinha de estar errado!

 

As pessoas queriam fugir para a liberdade e, então, arriscavam a vida a saltar o muro. Por vezes, eu imaginava-me na situação dos berlinenses do Leste. Se estivesse lá e se a coisa é mesmo como eu leio, até em livros proibidos, eu teria de dar o salto!

 

Perguntava-me a mim mesmo porque razão só fugiam de lá para cá. Depois lembrava-me do Casanova, que também fugia, segundo rezavam as histórias! O Casanova saltava pelas janelas, fugia pelos telhados e, se as chaminés fossem acessíveis, fugiria por lá! Claro que eu gostaria mais de fugir como o Casaniva, enfrentar os nossos "maus" da fita do que ter de saltar o Muro.

 

Adrão tinha um boi, creio que era o Castanho, que fugia como o Casanova. Eu já andava por cá e quando regressei, um tio meu disse-me que o Castanho era muito inteligente. Metia um chifre na cancela, retirava-a do local e, assim, dava acesso às vacas aos prados com o melhor comer. Ele retirava a cancela, mas não entrava. Era a sua maneira de conquistar os seus favores. 

 

Claro que os alemães do Leste não fugiam pelos motivos do Casanova ou do Castanho de Adrão. Eles fugiam, sobretudo, porque presavam a liberdade!

Eu perguntava-me sempre, porque razão, haviam pessoas que queriam ser comunistas, uma vez que a malta que podia, ou morria ou fugia de lá!

 

Quem se atrevia a iniciar a sua vida num regime que era, sem sombra de dúvidas, o mais sanguinário de todos!?

Como devem saber, só não saberão se não quiserem, se as coisas fossem assim tão simples, todos gostaríamos de ser comunistas. Eu seria certamente! Mas, depois de ver e saber em que pés acentava a Ditadura do Proletariado, o comunismo nunca seria possível, nem para mim, nem para ninguém! Seria possível, isso sim, se não fossem meia dúzia de indivíduos a impor a sua ditadura, o seu mando, o seu querer.

 

Eu li, em tempos, um livro de um Chefe do Partido Comunista brasileiro, acho que era o Cunhal deles, que me disse tudo. Esse livro, apesar de tão mal dizer do Comunismo, era proibido em Portugal. Disse-me a pessoa que mo emprestou. Já passaram tantos anos!

 

Mas na Rússia do Proletariado, na Rússia dos USSR, também haviam pessoas inteligentes e, por isso, pela sua inteligência e não só, o muro caíu!

Abaixo todos os muros!

 

Tal como o Kennedy «Ich bin ein Berliner»! (creio que é assim)!

 

Por isso, nunca poderia deixar passar aqui este dia de festa, pois ele será inesquecível por muitos séculos ou milénios.

 

VIVA a LIBERDADE!!!!

 

Sagres, a beleza dos mares que enfeita o rio Tejo para alegrar o Ventor, nas suas caminhadas

publicado por Ventor às 20:26