Hoje fiz três caminhadas.

O somatório foi de 2 horas e 45 minutos. Nada mau, para quem quer morrer a mexer!

Mas quem sabe como vai ser, o amanhã?

 

 
Uma garça, na Falagueira - Parque Aventura

 

Ontem, por exemplo, caminhei duas horas de manhã, sempre entre flores. Milhares de flores. Muitos milhares de flores e de ervas. Tenho feito, todos os dias, verdadeiros testes à minha resistência contra as alergias. Tenho caminhado todos os dias, assim.

 

Mas ontem, sofri uma verdadeira alergia, em Lisboa. Vi aquilo que, se me contassem, não acreditaria. Peguei na Dona do Quico e fomos a Lisboa. Quando entrei no local pretendido, encontrei muita polícia. Polícias, outros, evidentemente, que já tinha visto pelo caminho. Continuei a rodar, penetrei no meio deles, sempre à espera que me mandassem parar, voltar para trás, ou dissessem algo. Nada!

 

A Dona do Quico subiu ao 16º andar do edifício e eu fique a esperá-la, a ela ou à espera que a Polícia me dissesse que estava ali a mais. Nada!

 

Perguntei a um indivíduo o que fazia ali, tanta Polícia. Disse-me que era por causa do Presidente de Moçambique. Até aí, tudo bem! Mas, de repente, chegou uma grande frota de automóveis. Passaram à minha esquerda e, enquanto eu pedia aos santinhos para trazerem a D. do Quico, rápidamente, pois queria sair dali, vi a Praceta toda entupida. Olhei e nada! O Senhor Presidente terá subido fazer uma visita a um Hotel ou vieram buscá-lo, ... não sei. Sei é que, viessem trazê-lo ou buscá-lo, fiquei ali, mais de uma hora, sentado dentro do carro. Isto, para vos dizer que, às vezes, sempre forçado, também faço caminhadas, dentro do meu carro. Os gajos ocuparam a Praceta e foram comer, beber café, sei lá... os carros de suas excelências, no meio da rua! Cansadinhos, coitados!

 

A Dona do Quico foi perguntar aos polícias, como devia sair dali. A resposta foi ... sei lá! Foi de volta apanhar um táxi e eu fiquei no carro a meditar, pois estava parado em segunda fila e, a pedir aos santos, para mandar que um deles viesse ali correr comigo. Era o vinhas! Depois pensei: "tem calma Ventor, deixa-te estar que, se sais do carro, só fazes "merda"! Então fiquei no carro! Isto é, saí, mas voltei a entrar logo!

 

Então fiquei a meditar e tirei uma conclusão: "juntaram-se, numa Praceta de Lisboa, dois países. Um do 3º mundo, Moçambique e outro do 4º mundo, Portugal! Não acreditam? Podem ter a certeza! Estou a fazer tudo para não vos explicar porquê, senão ainda me vêm buscar a casa"! E isto porque, no mínimo dos mínimos, se eu fosse o polícia mais estúpido deste mundo, a comandar aquilo, teria arranjado melhor solição!

 

Mais tarde, no cruzamento da Av. dos Combatentes com a Av. Lusíada, lá fiquei, mais uma vez, à espera que a banda passasse. Mas aí, nada tenho a dizer. Tinha mesmo de ser assim! Mas se o Senhor da Esfera me tivesse dado o dom da adivinhança, tinha-os driblado das duas vezes. Mas não deu. Sou homem e homem sofre!

 

 
A mesma garça, noutro local do mesmo Parque, sempre com atenção ao Ventor

 

Mas hoje tudo se inverteu. Caminhei no meio das giestas amarelas, caminhei no meio de muitas mais flores policoloridas e caminhei no meio de amigos.

Nem tudo foi mau! Deixo-vos essa. Será esse?

Sagres, a beleza dos mares que enfeita o rio Tejo para alegrar o Ventor, nas suas caminhadas

publicado por Ventor às 23:41