Ontem, dia 10 de Maio de 2010, disse-te adeus. Dissemos-te adeus.

Conheci-te, há 48 anos.

Nessa altura, foste para mim uma surpresa. Uma surpresa porque, eu nem sabia que existias!

O teu pai, levou-me a tua casa sem me dizer nada. Só me tinha dito que iria jantar com ele e com gente amiga. Chegamos, tocou à campainha e, a tua mãe, toda contente, pois já contava comigo, foi abrir a porta.

 

Tu, apareceste a correr, abraçaste-te ao teu pai e, ficaste a olhar-me de soslaio. Ele apontou para mim e disse: "este, é o teu primo". Tu, um pouco encalacrada, também surpreendida, vieste dar-me um beijinho. Nasceste para mim com cerca de 14 anos, pois irias fazê-los logo de seguida.

 

Foste uma surpresa quando te conheci, foste sempre cheia de surpresas pela vida fora, para mim. Só não foste uma surpresa na hora de nos deixar. Eu sabia que, era uma questão de tempo! E, como calcularias, um dia, essa má notícia chegaria até mim. Até nós! A tua Joana, a tua querida filha, também, um dia, uma surpresa, iria dar-me essa terrível notícia. Eu esperava-a, mas pedia ao Senhor da Esfera para que não fosse tão rápida e te deixasse sossegada por mais algum tempo. Mas nada! Ele diz que tem de ser assim.

 

Um dia, há muitos anos atrás, escreveste-me uma carta, quando eu caminhava pelas terras lindas de Moçambique, em que me dizias:

"primo, um dia, quando chegares, virás procurar-me, naturalmente. Mas a minha vida vai dar uma volta, espero eu e, então, quando tu chegares, irás ter uma surpresa! Mas, para que a surpresa não seja muito grande, digo-te já que ainda não sei como vai ser, mas vai existir. Um dia conto-te tudo. Beijinhos".

 

Um dia cheguei e fui à direcção que me tinhas dado - um Colégio de Lisboa. Perguntei por ti, perguntaram-me quem eu era e disse que era teu primo. A resposta foi: "ai coitadinho"! Aí, assustei-me mesmo! Mas depois disseram-me que tinhas ido para França e que estarias em Paris. Fiquei mais sossegado! Afinal, o que tu pretendeste, foi tornares-te independente.

Depois veio a surpresa da Joana. Uma bela surpresa! Felizmente, com ela, o Senhor da Esfera, deu-te alguma coisa de jeito. E, mais ou menos, de surpresa, em surpresa, assim caminhamos por 48 anos.

 

Agora, as surpresas acabaram para sempre. O Senhor da Esfera não te deu o tempo suficiente para poderes continuar a tua Caminhada ao lado da tua filha, do teu genro e dos teus netinhos, a Carolina e o Lourenço.

A mãe de todas as doenças levou-te, precocemente.

 

 
Uma flor para o Senhor da Esfera tomar conta

 

Mas que vida tão cruel.

Nas minhas caminhadas, nem tudo é um mar de rosas. 

 

Sinto-me tão triste! 

 

 

Sagres, a beleza dos mares que enfeita o rio Tejo para alegrar o Ventor, nas suas caminhadas

tags:
publicado por Ventor às 01:28