O 10 de Março, é um dia como outro qualquer, para muita gente. Para outros pode ser um dia trágico! Por várias razões, no dia 10 de Março, hoje, por exemplo, há os que se levantam e podem cair por mil e uma razões. Ou porque escorregaram no tapete, ou porque iniciaram uma corrida em direcção à varanda ou à janela, por qualquer motivo e, como não estavam atentos, alguém pôs cêra nos taquinhos de casa para os fazer brilhar de limpos. Zás!

Há também quem, porque, a vida assim manda, ter de ir trabalhar, mas faltou a energia durante a noite e o relógio do rádio pifou e não cumpriu o prometido ou porque o relógio de corda empancou (e o melhor é mandá-lo pela janela fora, como eu fiz a um, em Vila cabral) e o comboio, sem compromisso, abalou! Correram tanto para o apanhar, tropeçaram na bengala do mendigo e estatelaram-se ... enfim, mil e uma razões ou muitas mais para se tornar um dia trágico.

 

Para mim, é apenas mais um dia ou tem sido, até este momento. Mas, não deixou de ser um dia diferente! Hoje, a 10 de Março, sempre recebi a minha reforma! Ouvi um piu-piu no telemóvel a anunciar mensagem, peguei nele e fui ver, o que nem sempre faço, pois, normalmente, são uns chatos a tentarem fazer por me impingirem qualquer coisa. Mas hoje não! Eu estava habituado a este piu-piu e a não ligar, entre os dias 19, 20 ou 21 de um mês qualquer, todos os meses. Era o meu banco a anunciar-me a transferência do meu ordenado para a minha conta. Hoje, o meu banco fez-me esse piu-piu com cerca de um mês e 19 dias de atraso (não foi atraso, no pagamento, é assim mesmo). Só lhe faltou, em vez de me enviarem uma mensagem morta, dizerem que já tinham lá a minha reforma e desatarem a rir no gozo: hi, hi, hi, ... Vejam só: "o Ventor recebeu a sua primeira reforma"! Ou badalar aos quatro ventos: "o Ventor sempre está reformado"! Chiça! E não é que estou mesmo? Parece-me que ainda nasci ontem!

 

 

O que diria Luis de Camões, hoje? Que Lusíadas ele escreveria? Eu sei que ele disse algo, semelhante ao que diria hoje, no seu tempo! Mas tenho a certeza que Sócrates e os membros do seu Governo, ou nunca leram o Camões (Adoq's?), ou nunca o entenderam!

 

Não deixa de ser chato! O Ventor não mais terá a preocupação de pensar que a sua Empresa pode falir e deixar de lhe pagar o ordenado. Mas vai ficar com uma preocupação bem maior! O Ventor, agora, vai ficar com uma preocupação nova. «Será que o Estado Português vai, tal como a sua empresa sempre fez, ser capaz de conseguir cumprir os seus compromissos e pagar a reforma ao Ventor e aos outros, a tempo e horas»?

 

Pelo que vejo, não me admirava nada que não conseguisse! Com este Governo e com a perspectiva dos que virão aí, cheira-me que iremos ficar tramados! Este é o Governo do afundanço! Do afundanço e sem perspectivas de melhoras!

Quando eu faço uma retrospectiva sobre os governos do 1º Ministro, José Sócratas, por tudo que se tem passado, desde o início, só tenho sofrido desilusões. E fico danado! Fico danado pela sua falta de classe em tentar resolver os problemas do país. Os problemas do país, não se resolvem a fazer asneiras, colocando na cara uma máscara de simpatia e gritando aos sete ventos que tudo isto está uma maravilha!

Pois se nem eu acredito, como é que o raio dos credores, por muito estúpidos que fossem, haviam de acreditar?

 

Eu fico danado, comigo mesmo e não apenas com o José Sócrates e sabem porquê? Porque se eu fosse do PS, na devida altura, quando ele concorreu para secretariar o partido, eu teria votado nele! Não posso com esta! Entre ele, o Marquês do Alegrete e o filho de um outro tipo que nunca gramei, vinha o diabo e ir-me-ia dizer: "Ventor, vota neste gajo"!

 

Mas eu não votei e estou danado porque podia ter votado, se pudesse. Só isso!

Mas ontem, no seu blá-blá da ordem e tentando cumprir a sua obrigação, o PR, tirou aos portugueses qualquer dúvida que ainda pudesse pairar por aí. Eu sei que é da praxe falar na tomada de posse, mas não é fácil ao Presidente da República, este ou outro qualquer, dizer ao povo o que se passa e mais custará, sabendo como são os galifões do PS, e não só, a atirar-lhe para a cara que a retórica dele não resolve nada. Cada vez mais estou convencido que o que esses galifões precisam é, realmente, de uma pá e pico nas mãos, para demonstrarem que estão realmente preocupados com o país e que, afinal, a linguagem aplicada pelo PR é a linguagem que o povo gostaria de utilizar em circunstâncias iguais.

 

PS's, façam as malas e vão-se embora pois estão a dar cabo do que sobra deste país!

Os credores estão fartos de vós. Pudera! Se eu estou!

 

P.S. - Quando escrevi isto, nem sonhava com o PEC 4! Mas bastou-me ouvir dizer que o "Financinhas", dito uma cois a o "Outro", vir logo a correr, a dizer que não senhora! Vejam só!

 

Sagres, a beleza dos mares que enfeita o rio Tejo para alegrar o Ventor, nas suas caminhadas

tags:
publicado por Ventor às 17:39