Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

caminhar com o Ventor

Pelos Trilhos da Memória

Pelos Trilhos da Memória

caminhar com o Ventor

Pangea

Pangea_animationDP.gif


Caminhem com o Ventor pelos Trilhos da Memória, nos trilhos da sua Grande Caminhada




Como sabem, o Ventor saiu das trevas para caminhar entre as estrelas.
Ele continua a sonhar, caminhando, que as estrelas ainda brilham no céu, que o nosso amigo Apolo ainda nos dá luz e que o nosso mundo continuará a ser belo se os homens tentarem ajudar..



Aqui, no Cantinho do Ventor, vamos sonhando ...



... juntamente com a Wikipédia



Aqui, estão abertas todas as janelas do Cantinho do Ventor, vamos sonhando e espreitando por elas



Os Blogs do Quico

A Arrelia do Quico

Os Amigos do Quico

O Fotoblog do Quico

Ventor em África

O Ventor e o Passado

Caminhar com os Sonhos

Quico

Blogs do Ventor

Adrão e o Ventor

Os Trilhos da Memória

Flores da Vida

Planeta Azul

Páginas Brancas

Rádio Ventor

Montanhas Lindas

Fotoblog do Ventor

Fotoblog de Flores

Blogs do Pilantras

Pilantras - o Ticas

Pilantras nos Trilhos do Ventor

Pilantras nos Trilhos do Quico

Fotoblog do Pilantras

Pilantras


Nestas janelas guardadas pela coruja das neves, a amiga do Ventor no Zoo de Lisboa, podemos espreitar as minhas fotos no Shutterfly ou, então, regressar à Grande Caminhada do Ventor


A Coruja das Neves
Ela abre-vos as janelas do Shutterfly

Sites de Fotos no Shutterfly


A G. Caminhada do Ventor

Adrão - a Natureza

Picos da Europa - a Natureza

Ventor e os Amigos do Quico

Caminhadas da Gi

Caminhadas de Sonhos


No Shutterfly podemos observar algumas das caminhadas fotográficas do Ventor. Se pedirem a coruja abre-vos as janelas.

Venham com o Pilantras, às músicas do Ventor

na sua Rádio Ventor


08
Dez05

Caminhar nas Montahas ...

Ventor

... de Soajo

Recebi um e-mail de um dos meus amigos encontrados na Net (esta é outra forma de Caminhada), que me dizia da imprudência de uns quantos que gostam de calcorrear montanhas e, para tal, escolheram os trilhos da minha serra!

O e-mail rezava assim: Caro Ventor; As tuas montanhas são lindas, mas por vezes pregam partidas. É bom que assim seja, pois nem toda a gente que as visita tem cabeça para as calcorrear. Deixo em anexo notícias do Soajo Um abraço,

Ora eu, incentivo todos os incautos a calcorrear as minhas Montanhas Lindas, mas pelo Verão fora e, mesmo assim, para os leigos, com muita prudência porque, por lá, até no Verão pode haver nevoeiros cerrados. Pouco provável, mas possível! Na serra de Soajo, quando os nevoeiros chegam, é a valer!

 

Eu já lá andei perdido muitas vezes (quase sempre no Outono) quando os gados se arrastavam para regressar a casa e garanto-vos que sempre soube para que lado ficava o Norte! Para tal é necessário conhecer não os trilhos mas tudo! Os trilhos, as rochas, as moitas de tojo, de urze, os espaços de fetos, onde os gados se deitam – poulos – as nascentes, o correr das águas!

 

 

 

Flores da carrasca

 

Assim podemos encontrar o ponto cardeal pretendido! Por isso meus amigos, se tiveram vontade de calcorrear as minhas montanhas lindas, façam-no com sol. Subam ao Poulo dos Bicos, idos do Mesio, de Travanca ou de Soajo, ou subam à Pedrada por Adrão, com caminho pela Portela (aquele monte que divide as águas entre Adrão e os vales da Peneda), aos Cortelhos do Muranho atravessando antes, toda a Naia!

Bebam água na fonte da Naia. Subam ao Muranho e bebam água na sua nascente, subam a encosta que se debruça sobre o Muranho, pelo lado da Serrinha (é mais fácil) depois, encostem à esquerda para atingirem o Alto da Derrelheira. Apreciem os vales de Bordença, de Adrão, da Assureira e apreciem as montanhas opostas, o Gondomil, a Cascalheira, a serra Amarela, montanhas de Espanha (com Olelas em frente do nariz) todas as Montanhas Lindas do Ventor, em volta!

 

Depois virem-se para a Pedrada e sigam até à nascente da Corga da Vagem, bebam água, sigam corga acima, até à Fonte das Forcadas. É lá que nascem as primeiras águas do rio Ramiscal. Se não tiverem o céu limpo, não podem apreciar nada. Se o céu estiver límpido, como já devem calcular, poderão encontrar paisagens paradisíacas. Da Fonte das Forcadas, podem torcer rumo ao Alto da Pedrada deixando a Seida à vossa direita e, dali, podem até apreciar a Senhora do Sameiro, o Bom Jesus, os cabeços da Falperra e, se gostarem, apreciar o cheiro do iodo que parte do mar até atingir as Montanhas Lindas do Ventor.

 Nos meses de Outono e na Primavera, podemos apreciar os nevoeiros baixos sobre os vales e fazermos caminhar a nossa vista sobre eles apreciando o lado contrário em frente do nariz!

 

Mar,16 129.jpg

 

Moitas de tojo - beleza amarela

 

Sempre que caminharem na minha serra, lembrem-se que o Ventor caminhou nela, ainda de cueiros!

---------------------------------------------------------------------------------- Eis as Notícias! 17 horas na neve do Soajo!

Grupo de amigos perdeu-se em tempestade de neve. Foram os bombeiros que os encontraram

Um grupo de sete montanhistas de Braga andou perdido durante cerca de 17 horas na serra do Soajo, Arcos de Valdevez, tendo sido descoberto e resgatado ao final da tarde de ontem, por bombeiros do concelho. Chuva, vento e nevoeiro foram os grandes inimigos da jornada. "Nunca mais vou esquecer este pesadelo", afirmou, ao JN, um dos participantes da aventura, todos amigos e amantes da Natureza e do montanhismo.

 

Chegaram cerca da meia-noite ao parque de campismo da Travanca, em Cabana Maior, de onde partiram para um abrigo de pastores, em Brandas de Brudença, a cerca de 90 minutos de caminho do local onde deixaram os carros. Depois, andaram mais hora e meia e perderam-se. Nunca chegaram a atingir o refúgio, nem orientar-se na montanha. Andaram perdidos e, segundo os cálculos do comandante dos bombeiros, Mário Araújo, terá percorrido mais de uma centena de quilómetros pelo Parque Nacional da Peneda-Gerês.

 

As primeiras pessoas que tornaram a ver foram os voluntários arcuenses, não antes de o grupo se ter separado em dois, já de manhã, devido ao espesso nevoeiro. "O nevoeiro era intenso. Não se via um palmo à frente do nariz. Foi uma sensação incrível", disse ao JN, Sérgio Luís, professor de Biologia, ainda mal refeito do susto e depois de um reconfortante banho no quartel dos bombeiros.

"Quando nos perdemos, ficámos com uma sensação incrível. A desorientação foi grande. Por momentos pensei no pior. O tempo passava, o cansaço ia subindo e a fome também. E a chuva alagou o calçado", contou Alexandre Lopes Ribeiro.

Uma longa jornada. Outro caminhante, Manuel Silva, 43 anos, estava cansado quando chegou ao quartel. "Foi muito duro. Ao fim de algumas horas, perdi a noção do tempo. Já tinha ido aos picos da Europa, mas desta vez correu tudo ao contrário. Não vou esquecer quando vi uma casa na montanha e asfalto. Tinha chegado à civilização", gracejou.

 

Enquanto matava a fome, José Estrada, 38 anos, fazia outras contas à aventura. "Sempre confiei nos guias, uma vez que alguns participantes conheciam os trilhos. Mas depois de algum tempo, surgiram as hesitações e ficámos perdidos", reforçou. Da mesma opinião partilha Manuel Coutinho, 38 anos, para quem o pior foi a humidade durante a noite: "Vim preparado para o frio e encontrámos muito gelo. Nunca contei passar a noite ao relento. Foi horrível", disse.

Igualmente feliz por "tudo ter terminado em bem" ficou o comandante dos bombeiros. "Felizmente, as coisas acabaram por ter um final feliz. Mas foi muito complicado localizar os homens. Apanhámo-los a mais de 20 quilómetros do local de onde tinham deixado os carros", disse Mário Araújo. Nas buscas efectuadas estiveram envolvidos 13 bombeiros e quatro viaturas, cães da Brigada Cinegética da GNR de Valença do Minho e também vários jipes da Associação Rottarcos, de Arcos de Valdevez.

 

Passo a passo.

Meia-noite. Chegada dos montanhistas ao Parque de Campismo.

Uma hora depois, perdiam-se na serra.

9-10 horas. Bombeiros recebem primeiro pedido de socorro.

10 horas, têm início operações de busca. 14.15 horas: Protecção Civil reforça buscas;

15.15 horas. Grupo de dois é encontrado a cerca de um quilómetro do local onde haviam deixado as viaturas.

17 horas. Outro grupo é encontrado a 20 quilómetros de Cabana Maior. Quem é quem.

Sérgio Luís, 38 anos, professor de Biologia, fazia parte do segundo grupo. Alexandre Lopes Ribeiro, 40 anos, operador de caixa num hipermercado (segundo grupo).

Manuel Coutinho, 38 anos, mecânico (segundo grupo).

José Estrada, 38 anos, empregado comercial (segundo grupo).

Manuel Silva, 43 anos, empregado da restauração (segundo grupo).

José Manuel Resende, 43 anos, fazia parte do primeiro grupo encontrado.

Paulo José Lopes, 29 anos (primeiro grupo).

Sagres, a beleza dos mares que enfeita o rio Tejo para alegrar o Ventor, nas suas caminhadas

O Quico e o Ventor

luis.jpg

Luiz Franqueira e o Quico

O Ventor nos tempos das grandes caminhadas gélidas, a luta contra o frio, era a maior das prioridades

VergineTricherusa.jpg

A Virgem Maria caminha entre nós

800px-Notre_Damme_internal_windown_rose.jpg

Um vitral na Catedral de Notre Dame

Tombstone_Holy_Sepulchre_reliquary_Louvre_MR348.jp

A Sepultura Sagrada

1280px-Jerycho2.jpg

Um Monumento em Jericó

Mais sobre mim

foto do autor

Posts recentes

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.