Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

caminhar com o Ventor

Pelos Trilhos da Memória

Pelos Trilhos da Memória

caminhar com o Ventor

Pangea

Pangea_animationDP.gif


Caminhem com o Ventor pelos Trilhos da Memória, nos trilhos da sua Grande Caminhada




Como sabem, o Ventor saiu das trevas para caminhar entre as estrelas.
Ele continua a sonhar, caminhando, que as estrelas ainda brilham no céu, que o nosso amigo Apolo ainda nos dá luz e que o nosso mundo continuará a ser belo se os homens tentarem ajudar..



Aqui, no Cantinho do Ventor, vamos sonhando ...



... juntamente com a Wikipédia



Aqui, estão abertas todas as janelas do Cantinho do Ventor, vamos sonhando e espreitando por elas



Os Blogs do Quico

A Arrelia do Quico

Os Amigos do Quico

O Fotoblog do Quico

Ventor em África

O Ventor e o Passado

Caminhar com os Sonhos

Quico

Blogs do Ventor

Adrão e o Ventor

Os Trilhos da Memória

Flores da Vida

Planeta Azul

Páginas Brancas

Rádio Ventor

Montanhas Lindas

Fotoblog do Ventor

Fotoblog de Flores

Blogs do Pilantras

Pilantras - o Ticas

Pilantras nos Trilhos do Ventor

Pilantras nos Trilhos do Quico

Fotoblog do Pilantras

Pilantras


Nestas janelas guardadas pela coruja das neves, a amiga do Ventor no Zoo de Lisboa, podemos espreitar as minhas fotos no Shutterfly ou, então, regressar à Grande Caminhada do Ventor


A Coruja das Neves
Ela abre-vos as janelas do Shutterfly

Sites de Fotos no Shutterfly


A G. Caminhada do Ventor

Adrão - a Natureza

Picos da Europa - a Natureza

Ventor e os Amigos do Quico

Caminhadas da Gi

Caminhadas de Sonhos


No Shutterfly podemos observar algumas das caminhadas fotográficas do Ventor. Se pedirem a coruja abre-vos as janelas.

Venham com o Pilantras, às músicas do Ventor

na sua Rádio Ventor


29
Ago07

Almada

Ventor

Ontem fui a Almada!

Ontem tive de estar no Seixal, ás 9 horas da manhã e depois dei uma volta por terras de parte da minha juventude.

O valor da palavra ... a campainha, a tal campainha que sinto nos meus ouvidos quando ouço determinadas palavras, como Ormuz e não só, também existe quando ouço certas palavras aqui bem perto!

Levantei-me cedo, e corri para a varanda para ver como estava o dia. Grande desilusão! Tudo fosco! O nevoeiro cercava-me e a minha amiga Vénus estava bem escondida. Mas tinha de ser! Eu e a dona do meu Quico, a nossa dona, fizemo-nos à margem sul e, à hora marcada, lá estávamos como combinado. Depois ... bem, depois foi caminhar para recordar!

 

 

O Cristo Rei lá estava, como sempre, a abraçar a Ponte e Lisboa, mas de costas voltadas para Almada

 

Lá apareceram os nomes que eu estou habituado a ouvir e até a observar, mas ontem seria especial se o tempo me deixasse! Observei a velha reentrância de água e lama que, do Mar da Palha, avança pela terra dentro, por entre barcos e barquinhos, uns activos e outros talvez carcaças do passado. Por entre o nevoeiro, pouco dava para observar a não ser aqui e ali alguns mamarrachos apodrecidos pelo tempo. Depois os nomes das muitas terras que antigamente eram individualizadas, mas hoje não se sabe onde começam ou acabam.

 

Lá vinham a Arrentela, Paio Pires, Cova da Piedade, Cacilhas, Corroios, Feijó, Amora e algumas outras que se foram esvaziando na minha mente, à medida que os anos iam passando e elas ia inchando. Incharam tanto que tudo aquilo mais me parece um balão pronto a rebentar.

 

No entanto, Almada lá estava! No mesmo sítio, mas tão diferente. Cruzei Almada em vários sentidos e não conhecia, praticamente, nada. Muitas obras, tudo escavoucado aqui e ali, e por ruas que fui passando, já nada conhecia. Terei de voltar lá e fazer tudo a pé, como antigamente. Mas voltei a ver, de perto, o Cristo Rei sempre a abraçar Lisboa! Há três anos que andava para ir ao Cristo Rei e fotografar Lisboa desde aquele local para me entreter a fazer comparações com o passado. Mas vejam lá que já nem soube ir à primeira para o Cristo Rei e depois para sair de lá foi o mesmo. As sinalizações são uma desgraça para quem não conheça ou para quem já esqueceu, ficando apenas com a sonorização dos nomes!

 

 

Um troço da ponte visto desde o Cristo Rei

 

Mas do Cristo Rei deu para espreitar por entre a névoa o lado de cá. Por fim lá vi, mal mas vi! Monsanto, as Amoreiras, o Terreiro do Paço ... enfim toda a Lisboa visível, por entre o nevoeiro dissipado ... e lá estavam também, a Torre de Belém, os Jerónimos, o Pavilhão dos Descobrimentos, as Portugálias, a Vela Latina ... todo aquele meu mundo dos últimos tempos.

 

Vou ter de voltar a Almada! Algumas ruas, como noutros sítios, já têm outros nomes, como se mudar nomes a ruas seja algo que dignifique uma Revolução! Claro que esta atitude não é só pertença de Almada mas de todas as localidades, grandes ou pequenas, onde uns "penachos" de revolucionários entenderam que era uma maneira de se imporem!

 

Sagres, a beleza dos mares que enfeita o rio Tejo para alegrar o Ventor, nas suas caminhadas

O Quico e o Ventor

luis.jpg

Luiz Franqueira e o Quico

O Ventor nos tempos das grandes caminhadas gélidas, a luta contra o frio, era a maior das prioridades

VergineTricherusa.jpg

A Virgem Maria caminha entre nós

800px-Notre_Damme_internal_windown_rose.jpg

Um vitral na Catedral de Notre Dame

Tombstone_Holy_Sepulchre_reliquary_Louvre_MR348.jp

A Sepultura Sagrada

1280px-Jerycho2.jpg

Um Monumento em Jericó

Mais sobre mim

foto do autor

Posts recentes

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.