Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

As Caminhadas do Ventor

Pelos Trilhos da Memória

As Caminhadas do Ventor

Pelos Trilhos da Memória

maidens.jpg

 

Como sabem, o Ventor saiu das trevas para caminhar entre as estrelas.
Ele continua a sonhar, caminhando, que as estrelas ainda brilham no céu, que o nosso amigo Apolo ainda nos dá luz e que o nosso mundo continuará a ser belo se os homens tentarem ajudar..


30.03.08

Entre Flores Selvagens


Ventor

Caminhar com a minha amiga Primavera num Campo de Flores selvagens (clique neste link), é uma das maravilhas do nosso mundo!

Caminhar entre as flores, deixando lá as alergias

Porém, neste nosso mundo actual, será muito difícil, para não dizer impossível, caminhar entre flores num campo razoável, revestido daquelas belezas naturais.

As maravilhas naturais são enormes. mas até quando?

Por isso, sempre que posso, vou aproveitando os nichos que escaparam à intervenção desordenada de gente sem escrúpolos que varre tudo que a Natureza tem de bom para encherem os bolsos de material sonante, ou notas venenosas, esquecendo-se de manter espaços abertos para que, um dia, as crianças possam vir a saber, na realidade, o mundo que ninguém dos seus antepassados tentou preservar.

Um beijinho vindo do chão

Num desses nichos que, não tardará muito, será mais um local de argamassa, estou neste momento, em que escrevo este post, a ver dois belos cavalos a pastar. Um cavalo castanho e um cavalo branco, estão ali a dar ao rabo e meneando a cabeça enquanto comem a relva verde. Por quanto tempo as pessoas terão uma oportunidade de participar numa visão tão bela como esta, dando uma olhada da sua janela numa cidade com centenas de milhares de pessoas?

Só lamento não saber identificá-las

Eles ali estão, encantados, rapando as ervas entre meia dúzia de oliveiras e eu aqui estou, também todo encantado, observando-os e  imaginanado como terão sido estes campos da Amadora de antigamente.

É difícil, até impossível, não as pisar mas, elas e eu, já sabemos que é assim!

Por isso, sempre que posso, lá vou eu, pé ante-pé, caminhando à procura de um passado não muito distante. E que melhor passado terá havido para aqueles que, de mãos dadas com a Primavera tiveram o privilégio de ver estes campos floridos?

Malvas e margaridas, na companhia do Ventor!

Nestes nichos floridos que vou encontrando, eu caminho entre as flores, como antigamente caminhava nos prados de feno floridos do Curral das Cabras, nas minhas Montanhas Lindas. Hoje, esses prados lindos de outrora, estão cobertos de matos que esconderam, por tempo indeterminado, as coloridas flores mais belas das minhas primeiras caminhadas de outrora.

Caminhar sem as pisar para que outros as vejam

Por isso, sinto que também as flores que vão resistindo às intempéries deste nosso planeta estão tristes como eu e muitos de nós estaremos.

Belezas rosadas no meio do verde

Uma pintura florida feita pelos pincéis dos meus amigos da oficina do Senhor da Esfera

Casa Velha.jpg

A casa velha, implantada na serra do Cercal, debruçada sobre o rio Mira

21.03.08

Recepção à Primavera


Ventor

21 de Março, é dia da chegada da Primavera, em 2008.

Mais uma vez, o vosso amigo Ventor, caminhou de mãos dadas com ela. Pela manhã, foi ver as carrascas à serra de Sintra e pela tarde, foi ver as olaias na "Mata do Rei". Como a envergadura da mata é de caris real e como rei sou eu, é assim que lhe chamo!

Devem ser poucos os que tiveram o privilégio de ver montanhas assim vestidas

Mas, a minha querida amiga a quem alguém, um dia, resolveu chamar de Primavera, chegou emblemada com uma grande doçura e olhar meigo, sob as benesses do, também meu amigo, Apolo.

Depois das minhas montanhas lindas em Primaveras de mais de 50 anos...

Dá cá a mão, Ventor, vem comigo. E fomos! Caminhamos entre as carrascas rosadas, como antes fazíamos nas minhas montanhas lindas.

Apenas tive essa oportinadade numa serra, ali para os lados do Piédon ...

Mas fiquei decepcionado, porque a nossa sinfonia não nos acompanhou. O maninho desta linda Primavera, a que chamamos Inverno fechou a porta com frio e deixou os insectos sem vontade de receber a sua mana que apareceu, por aqui toda brilhante, tal como Apolo pretendia.

...mas as imagens de Centieira, por cima da Assureira e a serra que julgo camar-se do Avô

Por isso, desta vez, a sinfonia que nos perseguiu, foi um mal entendido mecânico, que proliferou lá pelos lados do autódromo do Estoril. Quase me fazia ouvir a grande orquestra de abelhas e seus parceiros que, em 2005, assisti na serra da Mira.

...nunca mais encontrei, e essas, ficaram embebidas na minha retina. Agora mato saudades com pequenos nichos desta espécie de ericas

Música que nada tem a ver com a que eu pretendia mas, à falta de melhor, serviu para fazer-nos torcer o nariz a mim e à minha amiguinha acabada de chegar!

Mas se o problema fosse o rosa, estaria resolvido ...

Mas pronto! Foram lindas as cores e as danças de alguns insectos, nossos companheiros de caminhada e foi péssima a música dos escapes lé pelos estoris.

com várias árvores que me dedicam o seu amor, pelo ano fora ...

De tarde, acompanharam-nos, durante três horas, a mim e à Primavera, amigos nossos que, tal como pombos bravos, gaios, garças, melros, e demais passarada, peneireiros e uma águia, nos entreteram durante essa bela caminhada.

... tal como estas olaias que lançam pélalas rosadas sobre a minha cabeça ...

Gostei de caminhar de mão agarrada na mão quentinha da minha querida amiga Primavera.

... com saudações especiais do meu amigo Apolo

Com este plano colorido de rosa, que segundo sabemos é reconhecida como a cor do amor, pretendo, exactamente, recordar-vos que vale a pena viver a vida com amor, tal como nos é recomendado por esta bela amiga de todos, a nossa linda Primavera  

Casa Velha.jpg

A casa velha, implantada na serra do Cercal, debruçada sobre o rio Mira

Pág. 1/2